quarta-feira, 8 de julho de 2020

Quem são os vilões da memória: é possível combatê-los?


Como utilizar melhor a memória operacional no aprendizado ...
Importante saber que muitos problemas de memória muitas vezes não estarão presentes em decorrência de um problema de saúde, mas talvez pela convivência com os que chamamos de vilões da memória. Um deles seria a falta de atenção, sabe-se que a atenção é a primeira etapa do processamento da memória recente, quanto mais atentos estivermos melhor será o nosso desempenho de memória.
A desorganização ambiental, a falta de uma rotina obrigatória pré-estabelecida, também colabora para que nosso cérebro fique mais preguiçoso, interferindo em um pior desempenho do processamento das nossas habilidades mentais.  Por isso estabelecer um ritmo de tarefas obrigatórias e que envolvam hábitos de vida saudáveis são fundamentais para uma boa qualidade do processo de memorização, e do resgate da informação memorizada.
Outro aspecto importante a se atentar principalmente em pessoas adultas e idosas, é o desempenho da chamada acuidade visual, ou seja o quão sua visão está preservada e mantida, para interpretar as informações sensoriais visuais recebidas do meio, pois é descrito na ciência que pessoas com dificuldades visuais não corrigidas, seja por óculos, lentes oculares, cirurgias, podem ter um pior desempenho de memória e a longo prazo desenvolver doenças neurodegenerativas. O mesmo acontece com a capacidade auditiva, um indivíduo que em sua fase adulta relata sentir dificuldades auditivas, decorrentes de mudanças do processo normal do envelhecimento, precisa procurar auxílio de profissionais especializados, uma vez que a dificuldade auditiva também está relacionado a um pior desempenho de memória.
Neste sentido podemos ter algumas dúvidas que surgem, por que a dificuldade visual e auditiva seriam vilões da memória? Porque estas dificuldades interferem nos estímulos recebidos pelo cérebro, e, além disso, muitas vezes pessoas com estas dificuldades passam a se isolar socialmente, interagindo menos com outras pessoas, e consequentemente buscam por menos estímulos de memória e de atenção, apresentando assim um estilo de vida pouco desafiador para as habilidades mentais.
Ressalta-se também dentre os vilões da memória o estado de humor e a presença de sintomas de ansiedade, indivíduos deprimidos e ou com a presença de sintomas de ansiedade, são indivíduos com dificuldades de atenção e concentração e consequentemente apresentam um pior processamento da memória, são pessoas que costumam se esforçar menos para novas aprendizagens, possuem crenças negativas sobre o seu desempenho cognitivo por se acharem menos capazes de enfrentar grandes desafios, pois apresentam pensamentos negativos e falta de ânimo na maioria das vezes. Em relação a este aspecto a nossa dica seria, cuide do seu estado do humor, a partir do momento que ele interfere na sua qualidade de vida, pode não ser um aspecto de sua personalidade, mas sim um problema de saúde a ser tratado.
Quando pensamos na saúde mental, importante também se atentar à qualidade do sono, pois a insônia é uma grande vilã para um pior desempenho do funcionamento das habilidades mentais, é durante o sono que formamos as aprendizagens adquiridas durante o dia, então uma boa qualidade do sono é fundamental para um bom funcionamento da memória.
Nos estudos das neurociências também se destaca a importância de evitar o uso abuso de alimentos industrializados, com excesso de açúcares e gorduras saturadas, pois em excesso estes alimentos podem acumular no cérebro proteínas não utilizadas, os radicais livres, e podem possibilitar o aparecimento de toxinas no cérebro, que a longo prazo podem gerar prejuízos no funcionamento das habilidades mentais, sendo um fator de risco para o desenvolvimento de demências.
No entanto sabemos que embora convivamos com vilões que interferem no desempenho da memória, temos que nos lembrar que há formas de combatê-los que seria através dos hábitos de vida saudáveis, como uma alimentação balanceada, boa qualidade do sono, realização de exercícios intelectuais que estimulem as habilidades cognitiva (como por exemplo os exercícios de ginástica cerebral), a prática regular de atividades físicas prescritas por um profissional, e os cuidados com o estado de humor e com a prevenção ou manejo adequado de doenças crônicas presentes. Evite vícios, seja em alimentos industrializados, jogos de azar, desafie-se, busque a interação social, e viva uma vida saudável e com tranquilidade em todas as fases da vida.
Texto por Thais Bento Lima da Silva, Gerontóloga, Mestra e Doutora em Neurologia pela USP, Docente da Graduação em Gerontologia pela EACH USP, Consultora da Empresa MaturiQuality.


sexta-feira, 17 de abril de 2020

Como viver em tempo de crise?


A humanidade parou para que o Planeta se regenere, se equilibre. Esse é meu ponto de vista. Por conta de um vírus que se espalhou rapidamente, uma grande crise em diferentes áreas da sociedade moderna se instalou.
Vasculhando minha estante de livros achei o livro: Como viver em tempo de crise? de Edgar Morin e Patrick Viveret, Ed.Beltrand Brasil, 2013. 
Na primeira orelha do livro, os autores resumem o conteúdo do livro. Quero dividir com você:

"Diante da crise que atravessamos, precisamos notar que um ciclo está chegando ao fim e que uma nova ordem se descortina. Nesse período crítico, quando os desafios cruciais são também os piores possíveis, guardemos na alma esta certeza: o improvável sempre pode acontecer.
Mesmo quando tudo parece conduzir à tragédia, a complexidade do real pode dar vida a situações inesperadas. Temos que estar prontos para receber o improvável, ficar atentos ao uso positivo que podemos dar à crise.
...a crise pode ser a nossa chance de redefinir o mundo.
...Apenas a reflexão e a ação coletivas podem construir um mundo novo."

Quando li novamente essa obra, tocou profundamente meu Ser e me fez refletir ainda mais sobre esse tempo em que o mundo parou e a humanidade necessita reaprender a viver, conviver com o planeta e com os humanos.
Seja Luz!
Fica bem.
Fica em casa.
Cris Viviani

quarta-feira, 25 de março de 2020

Brainstorming e COVID-19


Alex Osborn: "Todo mundo tem alguma capacidade criativa, mas a maioria das pessoas não aprendeu a usá-la"

Quero compartilhar um conhecimento com a intenção em ajudar a reflexão e planejamento de atitude, pós quarentena; ou seja, COVID-19.
Estamos vivendo momentos de muitas incertezas e fragilidades em diferentes campos de nossas vidas, como na saúde, na economia, na educação, entre outros. O importante nesse momento é utilizar o tempo de pausa- STOP, na vida corrida cotidiana para refletir alguns aspectos particulares de cada um e se organizar para sair desse período mais fortalecido e ativo.
Brainstorming: "método desenvolvido por Osborn, no qual duas ou mais pessoas usam a imaginação  coletiva para chegar a ideias que fulguram de seu subconsciente para a mente consciente  em resposta a uma pergunta incorporando um problema específico." texto tirado do livro: Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill, 2015
Durante a quarentena, com isolamento total ou com outra pessoa, exercite a mente, trabalhando sua mente criativa. Todos nós temos uma mente criativa e a capacidade de nos conectar com nosso subconsciente trazendo para consciência algo que há muito tempo procura resposta, procura um caminho para seguir em frente.
O Brainstorming no período de isolamento, poderá ser feito utilizando a tecnologia para se conectar com amigos e parentes, assim juntos usar o imaginário para a resolução de algo ou a descoberta de formas a superar qualquer dificuldade em que se encontra. É a oportunidade de se Reinventar.
Uma ótima técnica é deixar durante a quarentena, um bloco de papel e lápis para anotar as "chuvas de ideias", "inspirações" que vão surgindo, sejam dúvidas, idéias e repostas. Tenha certeza que com esse hábito, sairá preparado para os dias que virão pós isolamento total.
Esse método brainstorming, sem dúvida nenhuma estará ajudando na sua saúde mental, conectando sua mente a um propósito de vida e a encontrar soluções de algo que há muito tempo não encontrava resposta.
Mantenha a mente em equilíbrio
Siga em frente.
Você é capaz.
Fica em casa
Cris Viviani

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

"O mercado parece não enxergar quem já passou dos 50"

A frase do título está na matéria que venho compartilhar.
Ela traz dados de uma pesquisa mundial sobre esse novo público que cresce e assume um poder econômico, de compra crescente.
Faço parte desse público 50+ e sinto dificuldade em encontra produtos e serviços específicos.
A matéria está na minha página do Facebook: https://www.facebook.com/crisviviani.viviani
ou no no Blog do G1 "Longevidade: modo de usar"  https://g1.globo.com/bemestar/blog/longevidade-modo-de-usar/post/idosos-preparem-se-para-os-futuros-paparicos-do-mercado.ghtml



Existe muitos caminhos 50+ que precisam ser explorados pelas diferentes gerações, principalmente para quem possui uma "Santa Experiência".
Espero ter contribuído
No próximo encontro aqui, irei falar da minha participação na primeira Longevidade Expo +Forúm do Brasil.
Sucesso para todos nós.
Cris Viviani



sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Maturidade? Agora que são elas!

Essa obra foi criada com muito carinho por todos os escritores envolvidos e organização.
O livro tem como objetivo uma reflexão sobre as diferentes faixas etárias. O que foi mais representativo ao escritor na virada para a maturidade, suas alegrias, agonias, sonhos; bem como  quais os impactos transformadores que o processo natural do envelhecimento teve na vida de cada autor com base nas suas experiências.
O texto em prosa almeja envolver o leitor e convidá-lo ao autoconhecimento, inspirando-o a ter um propósito de vida como instrumento fundamental na jornada à longevidade.
A obra conta com a organização da escritora e fundadora da marca MaturiQuality; saúde e qualidade de vida, Cris Viviani


s



sábado, 28 de abril de 2018

O quanto estamos preparados para as mudanças?


Não importa qual a idade que você tenha, será que está preparado para as mudanças que inevitavelmente chegam na vida de qualquer pessoa?
Todos nós sabemos que passamos pelos ciclos da vida, isso me inclui, e esquecemos que a partir do momento que nascemos se iniciam os processos de amadurecimento e envelhecimento.
Lembro de uma amiga ter comentado, aos vinte anos, que o primeiro sinal que de estávamos envelhecendo era nas mãos, que mesmo quando dobradas as rugas apareciam. Hoje em dia existem diferentes produtos e tratamentos que podem adiar esse momento, mas, fazendo parte do publico 50+ percebo que são muitos os sinais e que não os percebemos enquanto jovens.
Sempre ouvi das pessoas 50+, em minha juventude, que devemos nos preparar para a velhice, e agora me pergunto: O que é ser velho? Ser velho no século XXI ainda por cim! Um turbilhão de emoções aflora e também a constatação de que, por menores ou maiores que sejam os sinais, o envelhecer apesar de ser um processo natural da evolução do Ser; será mais ou menos visível dependendo da atitude, como indivíduo decide enfrentar essa fase única em sua vida.
Quanto será, que estamos preparados para esse processo?
Alguns anos antes de completar cinquenta anos e de me aposentar, comecei a me perguntar: Como quero estar aos 70, 80 e 90 anos? Lembrei de outra história sobre meus primeiros questionamentos, agora acho muito engraçado. Na época acordei uma amiga dentista no meio da noite apavorada e pedi para ela me prometer que permitiria que eu chegasse aos 60 anos sem dentes. A impressão que vai se esboçando chega a ser assustadora.
Envelhecer não acontece de forma mágica. Se estava preocupada com meus dentes, a atitude mais sensata a fazer seria marcar um horário com o profissional da área e iniciar um processo preventivo de tratamento para manter os dentes saudáveis durante a jornada da vida. Simples assim.
Gostaria na realidade que esta minha publicação lhe ajudassse a refletir e analisar o quanto está pronto, o quanto está preparado, o que está fazendo para aceitar as mudanças, pois um dia iremos descobrir que não poderemos por algum motivo, fazer o que fazíamos e teremos que nos reorganizar, reaprender a viver. E que seja feito de forma mais serena, leve e alegre.
Compartilho mais dois casos, um aconteceu com minha mãe, uma mulher ativa, um exemplo de vida, de energia e alegria, mas que há um ano, aos 76 anos, na manhã do seu aniversário viu sua vida mudar, ficando com algumas limitações, que apesar de pequenas, mudaram seu ritmo de vida.
Em dezembro de 2011 passei a ter algumas limitações por problema de coluna, não podendo mais andar a cavalo, uma paixão e fazer algumas coisas que sempre gostava de fazer.
Foi fácil aceitar? Confesso que não e também não está sendo fácil para minha mãe também, mas ambas sabemos que temos o livre arbítrio para fazer nossas escolhas. Afinal, somos nós que decidimos os caminhos 50+ anos que queremos percorrer.
Esteja onde estiver, como estiver, é você que tem o poder de reescrever sua história, é você que irá escolher as cores para te acompanhar e o grau de leveza, alegria ou não nesse caminhar. Tornando o seu caminho e de quem está ao seu lado com obstáculos transponíveis ou não.
Aproveito para te convidar a visitar minha página no Facebook: https://www.facebook.com/crisviviani.viviani 
Coloquei um vídeo da marca de carros Nissan que fala sobre se despedir de um momento, mas lembre-se a maioria de nós não teremos esse momento e devemos Agora nos preparar para mudança e que cabe a você tomar a atitude.
Grata por você ter vindo me visitar no blog.
Espero ter contribuído.
Sucesso no seu caminhos50mais
Cris Viviani

terça-feira, 17 de abril de 2018


Fiquei afastada por um bom tempo, mas sabe aquele bate papo entre amigos e você tem um super insight?
Aconteceu comigo no último fim de semana.
Lembrei do blog e qual foi o motivo que o criei.
Muitas estradas percorri até o dia de hoje e em todas encontrei muito aprendizado, e quero muito compartilhar com vocês o que me fez retornar a este espaço de aprendizagem e troca.
Em meados de 2015 me dei conta que no ano seguinte, 2016 completaria 50 anos e estaria aposentada.
Por incrível que pareça, para a maioria das pessoas que conheço, não bateu aquele medo que meu mundo iria ficar vazio, parado, sem graça, mas ao contrário, minha mente começou a agir de uma forma tão frenética em imaginar milhões de novas possibilidades, que ao final de 2016 quando descobri que deveria "pagar pedágio", isso ocorre para funcionário público como era, quase pirei e confesso que no ano seguinte, em 2017, não foi fácil, mesmo amando o que fazia. Um dia conto esse último ano de trabalho.
Quero focar no insigth que tive de vir aqui e contar para vocês.
Você alguma vez, por conta de uma obra literária, sua vida escolheu trilhar uma nova estrada totalmente desconhecida?
È isso que quero te contar, em 2016 como se o livro pulasse da prateleira para minhas mãos na livraria, o livro: “Estimulação Cognitiva para idosos - ênfase em Memória” da Editora Atheneu, publicado em 2013, se destacou entre tantas outras obras, mudando meu percurso e o mais importante que isso, me deu um propósito de vida pós-aposentadoria.
Senti na pele a dor de perder um ente querido pelo Alzheimer, em agosto de 2014, e desde que descobri esse novo caminho de conhecimentos e possibilidades.
Dessa forma decidi ajudar as pessoas, através da educação, a envelhecerem de maneira saudável e ativa.
Não importa se você tem 50+. O importante é saber como quer chegar daqui 5, 10, 20 ou 30+ anos, e será aqui, nesse espaço, que estarei trazendo informações, tendências e novidades sobre esse assunto apaixonante.
Fazendo dos meus dias a diferença na vida de muita gente, inclusive para você que me encontrou aqui.
Click para me seguir e deixe seu comentário.
Vamos juntos nessa caminhada.  
Cris Viviani